comes e bebes

Dicas de Brunch no Rio de Janeiro

Atualizado em:

O que significa Brunch?

Brunch é a junção de Breakfast (café da manhã, em inglês) + lunch (almoço, em inglês). É servido entre as duas refeições, normalmente entre 11 horas da manhã e 15 horas da tarde, podendo começar um pouco antes e terminar um pouco depois. Algumas pessoas gostam de definir o Brunch como um café da manhã tardio ou um almoço mais cedo.

Embora atualmente o Brunch esteja super em alta, engana-se quem pensa que é apenas uma moda passageira. O brunch data do século 19 e até hoje (e cada vez mais) faz parte dos menus de muitos restaurantes pelo mundo todo.

Como e onde surgiu o Brunch?

Você também achava que o Brunch era coisa dos americanos né? Mas não! A origem do brunch é de 1895, quando um escritor britânico chamado Guy Beringer sugeriu uma nova refeição combinando café da manhã e almoço, com o objetivo de poder dormir algumas horas a mais durante o fim de semana de bebedeira e acordar no domingo com uma refeição pra curar a sua ressaca (alguém se identifica? :p)

O chá e o café já eram as bebidas matinais da época, mas Beringer sugeriu que deveria começar com elas e adicionar também doces, comidas mais pesadas e bebidas alcoólicas para que pudessem continuar com as comemorações da noite anterior, mas com a vantagem de ter uma boa comida junto. Mas foi, na verdade, a classe alta que comprou o conceito pela primeira vez. Os nobres britânicos da era vitoriana incorporaram o brunch em suas rotinas de fim de semana como uma forma de socializar após uma manhã de caça.

Em uma revista de sátira da época, a edição de 1896 fez até um comentário sobre o brunch, como pode-se ver nesse link.
Nele está escrito:

Para estar na moda hoje em dia temos que “brunch”. Verdadeiramente uma excelente palavra de bolso, introduzida, aliás, no ano passado, pelo Sr. Guy Beringer no agora extinto Hunter’s Weekly, e indicando uma combinação de café da manhã e almoço. Em Oxford, no entanto, há dois anos, foi feita uma distinção importante: A refeição combinada, quando mais perto da hora usual do café da manhã, é “brunch”, e, mais perto do almoço, é “blunch”. Por favor, não se esqueça disso.”  

O brunch se tornou popular e o conceito demorou mas acabou chegando na América. E na década de 1920, muitos estados já haviam desenvolvido sua própria cultura de brunch.

O New York Times publicou um artigo em 1939 declarando que o domingo era oficialmente um dia de apenas duas refeições. Já na década de 60, livros de receitas foram lançados sobre brunch e na década de 90 muitos restaurantes americanos começaram servir brunch aos sábados também, graças ao seriado Sex in the City que ajudou a popularizar ainda mais o conceito.

Hoje é um programa muito comum nos fins de semana e feriados, mas muitos estabelecimentos servem brunch todos os dias e o dia todo, e existem restaurantes especializados em brunch.

Eu, que amo um brunch, agradeço ao Beringer pela invenção e aos que perpetuaram essa tradição e nos permitiram saborear essas dicas de Brunch no Rio de Janeiro que virão a seguir.

Brunch no Rio de Janeiro que fui e gostei

Brunch do Copacabana Palace – Pérgula

Um dos brunchs mais famosos da cidade, o Brunch do Copacabana Palace acontece todos os Domingos no restaurante Pérgula. Fartura e variedade são as características que melhor descrevem o brunch do Copa. O Salão do Pérgula, fica de um lado em frente a piscina do hotel e do outro, em frente para o calçadão mais famoso do mundo, com mesas na parte interna do salão. O brunch é aberto para não hóspedes.
O salão é lindo, com paredes pintadas a mão e mobiliários elegantes. O menu é bem variado, uma grande mesa lateral de antepastos, uma mesa central com comidas variadas, uma estação de massa, ceviche, risoto e grelhado feito na hora e outra mesa lateral de sobremesa com muitas opções deliciosas. Muito frutos do mar, água, espumante e drinks. Tudo a vontade, de 13h às 16h.
A comida é bem gostosa e o preço é alto. Mas é o Copacabana Palace. Está embutido no valor tudo que envolve a magia de estar no hotel mais icônico da cidade. Acho que vale a pena conhecer, mas não é um brunch para todo fim de semana e sim para uma ocasião especial. Na minha opinião, apesar da fartura e variedade, falta opções de breakfast para ficar completo. Só tem opção de comida para almoço. Para ser um brunch mesmo, pra mim, precisa ter um eggs benedict, um avocado toast, uma panqueca, um waffle, algo para iniciar que puxe mais para o café da manhã, para depois entrar na parte do almoço. Achei também que podia ter opções de bebidas não alcoólicas, como sucos. Fora isso, comida gostosa, ambiente muito agradável, atendimento excelente e o Copacabana Palace de pano de fundo. No final ainda rola uma subida no terraço acima do restaurante que tem vista de um lado para a praia e do outro para a famosa piscina do Copa, pra tirar umas fotos de lembrança! 🙂
Precisa de reserva antecipada.

Copacabana Palace – Av. Atlântica, 1702 – Copacabana
R$320 + taxas

Brunch do Hotel Emiliano – Emile

O Brunch do Hotel Emiliano é servido no Restaurante Emile, no primeiro piso do hotel. O restaurante é intimista e tem dois ambientes. Uma parte a meia luz e outra mais clara, iluminada por uma clarabóia no teto, e rodeado de plantas. O Brunch do Emile funciona com o menu dividido em partes, de onde vamos escolhendo as opções e fazendo os pedidos ao garçom que vai trazendo conforme nossos pedidos. Começamos com  a cesta de pães artesanais e croissants, depois fizemos as escolhas do breakfast, como eggs benedict, croque-monsieur, croque-madame, waffles, sorbet de açai e pitaya. Depois seguimos para a parte do almoço, como opções de mini porções como saladas, arroz cremoso de bacalhau, polenta, rigatoni, moqueca de lagosta, entrecote grelhado com purê de queijo canastra, arroz negro de pato, picadinho de carne com pure de banana da terra e farofa de bacon, dourado com pupunha. Por fim opções de sobremesa, mas preferi a parte salgada. Achei a variedade e mistura de opções de café da manhã e almoço bem gostosa e com ótimas opções. Além disso tudo, espumante, vinho, sucos naturais, refrigerante e água a vontade. Ambiente muito agradável, comida ótima, atendimento cordial, preço alto mas justo pelo que oferece. Mais uma ótima opção de brunch para ocasiões especiais.

Hotel Emiliano – Av. Atlântica, 3804 – Copacabana
R$265 + 13% taxa de serviço

Nusa Café

Estava andando na rua quando olhei e reparei a fachada que nunca tinha visto. Tinha um abacate na logomarca e eu já gostei de cara. A decoração era linda, aconchegante, tirei uma foto, cheguei em casa mostrei pro Vini e falei: vamos lá agora? Fomos! Estava recém aberto, no soft opening. Pedi bowl de açaí e um avocado toast e morri de amores com a comida e com a apresentação! Desde então, já fui várias vezes e já levei várias pessoas pra conhecer. Já experimentei outras coisas, como o waffle de pão de queijo, a granola da casa, outros tipos de toast, com salmão, com bacon, smoothies, bolo de banana com chocolate, e não tem nada que não seja maravilhoso! Um lugar perfeito para um brunch delicioso, colorido, lindo e instagramável em qualquer dia da semana (menos segunda, porque é o dia de descanso deles).

R. Vinícius de Moraes, 129 – loja B – Ipanema